início Ela Livros
Blogroll Contato


3 de fevereiro de 2015

Li o livro Se Eu Ficar cheia de expectativas e acabei me decepcionando um pouco. Superficial demais, poderia ter sido melhor explorado. Não achei um excelente livro, não odiei. Gostei da dinâmica rápida e o “final” me cativou a ponto de eu querer ler a sequência. Antes, porém, assisti ao filme. Frustrante. Não convence e não é lá dos mais fiéis. Enfim.

Para Onde Ela Foi é, portanto, a continuação de Se Eu Ficar. Passados mais de três anos desde o acidente de Mia, recuperada, ela agora mora em Nova York, é uma violoncelista em ascensão, como sempre sonhou. Por outro lado, Adam é um astro do rock aparentemente arrogante, vive em Los Angeles com a namorada Bryn, uma famosa atriz. Não tem a melhor das relações com sua banda, esnoba repórteres, vive estampado nos tabloides e nunca pelos melhores motivos. Desde que Mia foi embora do Oregon, nunca mais se viram.

Numa noite, sozinho em Nova York, Adam e Mia se encontram, não exatamente por acaso. Frente a frente, eles têm a oportunidade de rever o passado, esclarecer os pontos obscuros, entender o que ocorreu com o relacionamento dos dois.

Para Onde Ela Foi é narrado também em primeira pessoa, mas, dessa vez, por Adam. E eu gostei muito mais! Inclusive, eu que não tinha me afeiçoado muito a ele no primeiro livro, aqui já foi bem diferente. Adam parece outra pessoa. Com mais sentimentos, mais emoções, mais humano e menos idiota. Apesar de a sequência tratar do reencontro dos dois e não de um fato tão grave como o acidente, este livro vai mais afundo, aprofunda na mente de Adam e nos faz sentir o que ele sente.

Outra coisa da qual gostei muito: o livro não é óbvio. Além de prender, ele não te leva a conclusões precipitadas e eu, sinceramente, tive muitas dúvidas do que aconteceria no final. Vale a pena ler o mediano Se Eu Ficar para poder ler Para Onde Ela Foi, que é muito bom!

Alguém leu um dos dois ou assistiu ao filme? Gostaram?

chez b. para onde ela foi nota





25 de novembro de 2014

chez b. se eu ficar 3

Antes de ler a continuação de Se eu ficar, queria muito ver o filme. Minha expectativa era um pouco alta, imaginava algo como o fidelíssimo A culpa é das estrelas, onde literalmente deram vida aos queridos personagens do livro. Porém, me decepcionei. 

O filme não é fiel. Muitas partes foram cortadas e outras tantas modificadas, fazendo com que eu não reconhecesse diversos diálogos travados e algumas outras situações vividas de forma bem diferente das do livro. As omissões numa adaptação para o cinema são obviamente necessárias, mas nesse caso fez com que alguns trechos ficassem sem sentido. Do mesmo modo, o final, apesar de ter o mesmo objetivo, afastou-se demais do original, o que achei bem frustrante.

chez b. se eu ficar

Por outro lado, Chloë Moretz foi uma boa escolha para dar vida à Mia. Delicada, meiga e bem convincente tocando violoncelo. Já o Adam (Jamie Blackley) do filme foi tão sem graça quanto o do livro. Chato, egoísta, imaturo demais. O casal por eles formado também não me cativou. Não vi sintonia, não vi paixão, romance, não senti amor.

chez b. se eu ficar 4

A situação temporal, entrelaçando passado e presente foi muito bem desenvolvida. Ficou clara, não atrapalha ou confunde o telespectador, o que é essencial nessa espécie de enredo. Os momentos atuais de Mia, no entanto, acho que poderiam ter sido melhor explorados, dando mais ênfase à consciência da personagem em coma.

chez b. se eu ficar 2

Enfim, poderia ser melhor. Achei um filminho água com açúcar, superficial, com uma trilha sonora gostosa, mas, que em alguns instantes chegou a me dar um soninho por tamanha a songuisse do casal principal e por ser um tanto arrastado. Esperava mais, bem mais. Ainda assim, pretendo ler a sequência.





14 de novembro de 2014

chez b. se eu ficar 2

Mia é uma violoncelista de 17 anos, que vive em Oregon com seus pais e seu irmãozinho Teddy. Numa manhã de nevasca, a família sai de carro e sofre um grave acidente. Mia vê seu corpo vivo sendo retirado dos destroços e levado para um hospital, mas não sente nada. Se eu ficar narra, sob a ótica de Mia, os acontecimentos das 24 horas seguintes ao desastre, até ela se dar conta de que precisa fazer uma importante escolha.

Queria muito ler o livro antes de assistir ao filme, que saiu de cartaz há pouco tempo. Não me apaixonei, mas, também, não me arrependi. Curto, simples e com enredo bem dinâmico, a história varia entre o passado e presente de forma clara, sem deixar o leitor perdido no tempo.

Acompanhar Mia fora do corpo, durante o período pós-acidente nos leva a muitas reflexões sobre a vida e nossas escolhas que, por vezes, podem ser definitivas. É quase impossível não se imaginar na situação da protagonista, o que causa uma apreensãozinha. Porém, apesar do tema muito interessante, acho que poderia ter sido melhor explorado. Os questionamentos e pensamentos de Mia sobre a questão central poderiam ir um pouco mais além, trazendo mais densidade ao livro.

Outra coisa que não me agradou tanto na história, foi o fato não ter me apegado à Mia e, muito menos, ao casal Mia & Adam. Sabe quando aquele amor não convence? Pois então! A relação deles não me emocionou, não me deixou com frio na barriga e tampouco na torcida insana pelo final feliz do casal! Isso foi o que mais frustrou no livro. Já o final evasivo, que incomodou muita gente, não me afetou. Achei uma boa opção da autora, deixando o leitor à espera de algo mais.

Enfim, gostei do livro, embora não tenha sido tudo aquilo que eu imaginava. Vale a leitura sim, porém, não é imperdível. Já está disponível a continuação, Para onde ela foi, que pretendo ler em breve!

Agora vou assistir ao filme! Depois conto o que achei!

 

chez b. se eu ficar