início Ela Livros
Blogroll Contato


3 de fevereiro de 2015

Li o livro Se Eu Ficar cheia de expectativas e acabei me decepcionando um pouco. Superficial demais, poderia ter sido melhor explorado. Não achei um excelente livro, não odiei. Gostei da dinâmica rápida e o “final” me cativou a ponto de eu querer ler a sequência. Antes, porém, assisti ao filme. Frustrante. Não convence e não é lá dos mais fiéis. Enfim.

Para Onde Ela Foi é, portanto, a continuação de Se Eu Ficar. Passados mais de três anos desde o acidente de Mia, recuperada, ela agora mora em Nova York, é uma violoncelista em ascensão, como sempre sonhou. Por outro lado, Adam é um astro do rock aparentemente arrogante, vive em Los Angeles com a namorada Bryn, uma famosa atriz. Não tem a melhor das relações com sua banda, esnoba repórteres, vive estampado nos tabloides e nunca pelos melhores motivos. Desde que Mia foi embora do Oregon, nunca mais se viram.

Numa noite, sozinho em Nova York, Adam e Mia se encontram, não exatamente por acaso. Frente a frente, eles têm a oportunidade de rever o passado, esclarecer os pontos obscuros, entender o que ocorreu com o relacionamento dos dois.

Para Onde Ela Foi é narrado também em primeira pessoa, mas, dessa vez, por Adam. E eu gostei muito mais! Inclusive, eu que não tinha me afeiçoado muito a ele no primeiro livro, aqui já foi bem diferente. Adam parece outra pessoa. Com mais sentimentos, mais emoções, mais humano e menos idiota. Apesar de a sequência tratar do reencontro dos dois e não de um fato tão grave como o acidente, este livro vai mais afundo, aprofunda na mente de Adam e nos faz sentir o que ele sente.

Outra coisa da qual gostei muito: o livro não é óbvio. Além de prender, ele não te leva a conclusões precipitadas e eu, sinceramente, tive muitas dúvidas do que aconteceria no final. Vale a pena ler o mediano Se Eu Ficar para poder ler Para Onde Ela Foi, que é muito bom!

Alguém leu um dos dois ou assistiu ao filme? Gostaram?

chez b. para onde ela foi nota





22 de janeiro de 2015

chez b. um dia livro capa

Quando a Ju do CLBS fez esse post sobre Um Dia, fiquei bem tentada… mas, achei que não teria graça lê-lo, já que tinha visto o filme. Ledo engano! Ela me convenceu de que o livro era excelente mesmo sabendo a história e, principalmente, o final. Não me segurei, comprei, conferi e concordei.

O filme é incomparável ao livro. Aqui sim, conhecemos a essência de Emma e Dexter, ou Em e Dex. Conhecemos o dia 15 de julho de cada ano dos 20 que se passaram desde que eles de fato se conheceram. Um Dia nos conta a história desses dois (inicialmente) jovens, recém-formados, que alimentaram uma forte amizade ao longo de 20 anos de suas vidas.

chez b. um dia livro 01

Emma é bonita (embora não saiba disso), inteligente, culta, é professora e sonha em ser escritora. Dexter é rico, boêmio, sem muita preocupação com os estudos, vira apresentador de TV, se joga nas drogas e na bebida e só pensa em mulheres. São melhores amigos, apesar da distância social, moral, ética e física. Em é visivelmente apaixonada por Dex, mas Dex não quer qualquer compromisso além da amizade que os une.

chez b. um dia livro 02

O livro mergulha intensamente no universo dos dois. Vivemos, sofremos, odiamos, amamos, nos sentimos felizes por eles. Escolhas, oportunidades, momentos, decisões. Recheado de detalhes, de sentimentos, de dúvidas, de porquês. Cada personagem é profundamente construído, conseguimos entendê-los, imaginá-los, senti-los por inteiro, o que faz de Um Dia uma história quase real.

chez b. um dia livro 003

Vivemos 20 anos com esses dois queridos personagens, numa verdadeira montanha-russa de emoções e descobertas. É impossível não pensarmos em nossas próprias vidas, nas escolhas que fazemos, no que estaríamos perdendo ou, de repente, no que estamos ganhando. Encantador, profundo e memorável. Indico muito e feliz de mim que tive a Ju para me convencer a desfrutar dessa deliciosa leitura! <3

 

chez b. um dia livro





13 de janeiro de 2015

chez b. extraordinário

Depois dessa avalanche de premiações, antes de começar a próxima, vamos fazer uma merecida pausa para o momento literário – e esse garanto que vale a pena!

Extraordinário inicia com a narração em primeira pessoa de Auggie, um menino de dez anos, portador de um grave problema genético que lhe acarretou grande deformidade facial. Nos capítulos seguintes, a história passa a ser contada também sob a ótica de outros personagens, enriquecendo ainda mais o impacto psicológico do livro.

Como disse algumas vezes, não sou uma pessoa rápida de leitura. Extraordinário li em três tardes. Foi o segundo, mas é um forte candidato a ser o melhor livro deste ano! A capa quase infantil não revela e muito menos pressupõe a sua densidade. Denso sim, porém de simples e rápida absorção. Não é daquelas histórias que esperamos ansiosamente o desfecho final. Não. É aquele livro que cada momento deve ser bem aproveitado, bem curtido, absorvido sem pressa.

chez b. extraorinário 2

Mesmo aparentemente tão singelo, Extraordinário é um verdadeiro tapa na cara! Auggie nos conta como é estar na pele de um menino deformado. Como é sentir o preconceito das pessoas, os olhares ou o desvio deles, os sustos e as surpresas. Auggie sente medo, sente alegria, sente rejeição, sente amor, sente atenção – ainda que não seja de forma positiva. Impressiona a sua maneira de ver o mundo, a sua realidade. Acho interessante que, em certo momento, ele diz que às vezes podemos pensar como é ser alguém com algum problema e deformidade: pra ele, é normal. Ele não sabe como é ser diferente. E precisa se adaptar ao mundo dessa forma.

A visão de outros personagens também muito nos ensina. Os sentimentos reais e sinceros de Via, a irmã mais velha, muitas vezes não exatamente nobres, mas sempre compreensíveis. A luta dos pais, Isabel e Nate, a forma de encarar do amigo Jack, o preconceito e a discriminação do colega de escola Julian e sua mãe maluca. São diversas as situações postas nuas e cruas, ainda que ternas e sensíveis, que é impossível não se imaginar na situação do garoto deformado ou de qualquer outra pessoa que com ele convive. Mais: é impossível não extrair grandes lições da experiência de ler esse livro.

Extraordinário é lindo, é amor, é extraordinário!

 

 

chez b. extraordinário nota





18 de dezembro de 2014

chez b. álbum de casamento nora roberts

Quando li esse post da Kat no Eu Suspiro, corri para comprar Álbum de Casamento, da Nora Roberts. Assim como ela, eu tinha uma espécie de preconceito com as obras dessa autora. Acho que mais pelas capas do que pelo tema em si (já que sou bem chegada num romance), as quais me parecem meio bregas, meio clichês e, como bem disse a Kat, com cara de romance de banca! Mas, ela leu, gostou e indicou. Então não pensei duas vezes, fui conferir!

Álbum de Casamento é o primeiro livro da série Quarteto de Noivas, de Nora Roberts. São quatro livros em que cada um conta a história de uma das amigas e sócias da empresa Votos, que cuida da organização de casamentos. Mac, Laurel, Parker e Emma são grandes amigas desde a infância, moram na mesma propriedade, são jovens e bem sucedidas em suas profissões (cada uma cuida de um ramo da Votos). O primeiro livro tem como personagem principal Mac, a fotógrafa de noivas que reencontra Carter, um antigo colega dos tempos de escola, por quem parece estar se apaixonando…. e aí a história se desenrola!

chez b. álbum de casamento quarteto de noivas

Gostei muito do livro. Realmente quebrou aquela visão tola que eu tinha de Nora Roberts. É um romancezinho super leve, de fácil e rápida leitura, que segura bem o leitor. Não é enrolado, pouco profundo, mas o enredo é animado e segue num ritmo bom até o fim. No próximo, Mar de Rosas, a personagem é Emma, a decoradora da Votos. Eu já comprei e está na minha lista de leitura de 2015, assim como os demais da série! Leiturinha super recomendada para os dias de praia e piscina, daqueles que não requerem muita atenção, mas garantem bons momentos!

 

chez b. álbum de casamento nora roberts nota





11 de dezembro de 2014

Já faz um tempo que escrevi um post sobre o primeiro livro dessa trilogia, o Em busca de uma nova vida. Como se trata de literatura espírita e, obviamente, não agrada a todos, pensei em não resenhar os livros da sequência. Mas, reli uns posts antigos e cheguei à conclusão (mais uma vez) que este espaço é, acima de tudo, um cantinho virtual de livre expressão, onde opino, dou pitaco e falo de todas as coisas que realmente gosto. Literatura espírita é uma delas. E, ainda que não seja unanimidade, sei que várias leitoras curtem!

Em tempos de liberdade relata outra encarnação do espírito Layla. O ano é 28 d.C e vive-se o apogeu do Império Romano. Layla encarna Verônica, fruto de um violento estupro praticado contra uma escrava espartana. Ela cresce reclusa em uma vila até que, ao perder sua mãe e sua senhora, se vê obrigada à encarar o mundo sozinha. Viveu nas ruas, prostituiu-se, estudou para ser gladiadora, arrebatou corações. A história de Verônica prende, o enredo é mais rápido que o primeiro da série e continua envolvente. A evolução espiritual de Layla, as situações vivenciadas nessa vida e os diálogos travados com os demais personagens (alguns reencarnações de espíritos citados em Em busca de uma nova vida) são repletos de mensagens e ensinamentos extremamente válidos e importantes para o nosso cotidiano.

chez b. em tempos de liberdade trilogia

A carga de lições desses livros são impressionantes e me levam a grandes reflexões sobre a vida, sobre o amor, sobre nossos atos e atitudes. Mais uma vez, recomendo!

 chez b. em tempos de liberdade nota