início Ela Livros
Blogroll Contato


29 de janeiro de 2015

Nas últimas semanas, a Lu do Chata de Galocha publicou um vídeo intitulado Unpopular, em que Erika Napoletano fala sobre a popularidade (ou a falta dela) das nossas decisões e escolhas. Vi várias pessoas compartilhando o post blogosfera afora e, de fato, ele é muito interessante e verdadeiro. Refleti bastante sobre o assunto, o que me fez perceber como fui mudando minhas percepções ao longo dos anos.

Houve um tempo em que me preocupava – talvez em demasia – com o que outras pessoas fossem pensar de mim, seja como pessoa, seja uma atitude, uma decisão ou uma escolha. Eu realmente chegava a deixar de fazer algo por medo de comprometer minha imagem perante os outros, talvez até por medo de perceberem que eu não sou perfeita – como se todos já não soubessem e também não o fossem! Não estou falando de atitudes consideradas erradas ou fora do padrão, mas todo e qualquer ato precisava ser muito bem pensado para que não denegrisse o “eu” que gostaria de transmitir.

chez b. popularidade das nossas decisões 01

Pois bem. O tempo passa – e muito! -, vamos acumulando experiências, os nossos valores são fortificados, nossas posturas mudam  e com isso nossa percepção de mundo. Comigo foi assim: numa bela tarde ensolarada (na verdade, foi numa noite conturbada, mas quis enfeitar um pouquinho!) me deparei com a necessidade de tomar uma grande decisão que definiria totalmente a minha vida. Eu tinha duas opções inconciliáveis e, portanto, tive que optar por uma e só eu tinha o poder de escolha. Foi aí que olhei pra dentro e me dei conta de que simplesmente não importava o que as outras pessoas iam pensar. Era e é a minha vida. Eu que sofri, sofro e vou sofrer as consequências dessa e de todas as minhas escolhas, que colho os frutos das minhas decisões.

Percebi o quanto essa preocupação é egocêntrica e o quanto não é importante o que as pessoas pensam sobre nós e sobre nossas decisões. Egocêntrica sim, porque a sensação que se tem, é que todos estão nos reparando, nos percebendo, nos notando; mesmo que na maioria das vezes passemos despercebidos. A pessoa que se preocupa acha que o mundo inteiro está de olho na decisão que ela vai tomar. Só que não. Existem outras coisas muito mais importantes, obviamente.

Mais: na prática, que real importância tem o julgamento que fulano de tal faz de você? Ou sobre algo que você decidiu? Ou sobre algo que você quer? Nenhuma. Tomar decisões “populares” para agradar outras pessoas – que não você mesmo e a pessoa que sofrerá o reflexo direto dela – é mais do que desperdício de tempo, é desperdício de vida. A vida é uma só (pelo menos essa, né hahaha) e é aqui e agora que temos pra fazer o que gostamos, queremos e nos propomos. Ninguém vai fazer por você.

chez b. a popularidade das nossas decisões 2

Voltando ao vídeo, passar a vida inteira tentando ser algo que não somos, fazer o que não queremos é sabotagem com nós mesmos. Por mais perfeitos que tentemos ser, nunca seremos realmente unânimes. Temos que ser honestos, sinceros e autênticos e, assim, conquistarmos o nosso grupo por aquilo que essencialmente somos, pensamos e escolhemos para nossa própria vida e não aquilo que supostamente deveríamos ser, pensar e escolher. Aí sim, sendo você mesmo, o outro pode decidir se gosta ou não de você. Como diz Erika, “Love me, hate me, just don’t be in the middle”.

Nunca vamos agradar o mundo inteiro, nunca. E não tem porquê, não tem pra quê. Certamente o essencial é deixar feliz quem faz parte do seleto grupo daqueles que te merecem, aqueles que te amam e são por ti amados, as pessoas que são realmente importantes para estar na sua vida. E essas pessoas são aquelas que estarão felizes com a sua felicidade, seja ela popular ou não. Simples assim.




23 Comentários em “A (im)popularidade das nossas decisões”


Camila Faria

Eu sempre digo que a pessoa mais importante, que temos que agradar SEMPRE, somos nós mesmos! Adorei a reflexão!

Mariana Riguetti

Melhorei muito como pessoa e fiquei bem mais feliz depois que parei de me importar com “o que os outros vão pensar”. Como já dizia a Duquesa, Se cada um cuidasse de sua própria vida, o mundo giraria bem mais depressa. rs

Ps. Adorei as ilustrações.

Blogdeaventuras.com ♥

Bruna Aguiar

Sem dúvidas, Mari! As ilustras são do Siga os Balões, do FB. Beijinhos!!

Nina Rosa

Adorei o texto Bru…acho que com o tempo percebemos que o que realmente importa somos o que queremos ;)

Bruna Aguiar

Né?! <3 Sempre bom te ver por aqui, Nina!

Bruna Cogo

Muito bom o texto e eu adorei aqui. Vem conhecer meu cantinho também e espero que goste.

Um beijo,

http://www.oibiscoito.com
https://www.facebook.com/blogoibiscoito
youtube.com/brunacogo

Katherine Farias

Bru, além de adorar posts com conteúdo pessoa, adorei o que tu escreveu. Tu escrever muito bem. É isso mesmo, de maneira alguma a preocupação com o julgamento alheio deve afetar nas nossas decisões, na nossa vida. É pouca vida pra muita preocupação, e essa equação não é certa! Beijo!!! <3

Bruna Aguiar

É pouca vida pra muita preocupação! Dissesse tudo, Kaka! <3

Desbravadores de Livros

Concordo com seu texto. Me preocupava muito com o que as pessoas pensam e ficava me limitando a fazer as coisas.
Sei e concordo com o fato de ser difícil agradar a todos, é por isso que devemos sempre pensar no que nos importa e não no que as pessoas acham que nos importa.
Adorei seu blog. Se gostar do meu e for seguir, nos avise. Será uma satisfação retribuir.

M&N | Desbrava(dores) de livros – Participe do nosso top comentarista. São 4 ganhadores e você escolhe o livro que deseja ganhar.

Natz Sodré

Ameeeeeeeeeeei o post Bru, eu já fui muito assim sabia? Até uns 4 anos atrás, me importava DEMAIS em agradar toda e qualquer pessoa, se tinha algo que eu gostava de fazer, mas fulano de tal achava perca de tempo eu simplesmente parava, pra não acharem que eu perdia meu tempo, coisas assim sabe? E me matava pra agradar pessoas que no final eu percebi que não valiam a pena o meu esforço, neeeem um pouco… Hoje em dia aprendi, temos que agradar a nós mesmos em primeiro lugar, e quem nos ama, automaticamente será agradado também e ficará feliz. Beijokas! :)

Bruna Aguiar

Que bom, Natz, acho que com o tempo vamos amadurecendo e percebendo que o mais importante é agradar a nós mesmas, né?! Beijinhos <3

Cada um escolhe o caminho que quiser pra ser feliz. |

[…] Ainda sobre ter liberdade, fazer o que der vontade e não se preocupar com o que os outros dizem, mi… […]

Juliana Regis

Que post lindo, Bru! Adorei tudo que tu falou e as imagens também. Eu vi o vídeo que a Lu postou e até indiquei lá no blog, porque é muito real essa necessidade que as pessoas tem de agradar o mundo, né? Vez por outra ainda me vejo tomando atitudes que são mais “socialmente aceitáveis” e menos eu, termino sempre refletindo o quanto eu realmente preciso fazer aquilo em vez de fazer o que quero. Mas em resumo, dia após dia tenho me importado menos e me aceitado mais impopular. =*

Bruna Aguiar

Ju, acho que nada como o tempo e as experiências para nos fazer amadurecer e ter mais segurança de nós mesmas <3

Anne

Falou tudo, Bruna!
Conheço uma pessoa que estava muito preocupada com o que outras pessoas diriam a respeito dela em razão de um determinado fato, e uma outra perguntou a ela: que diferença o julgamento dessas pessoas vai fazer pra você daqui a dez anos?
NENHUM! E a resposta é essa quase sempre.
Então de fato temos que nos preocupar em agradar a nós mesmos e aquele (como vc disse) seleto grupo de pessoas que nos merecem e que nos amam.
Nem sempre é fácil, mas é o que precisamos ter em mente na hora do conflito.
Beijo

Bruna Aguiar

Nossa, é verdade. Acho essa pergunta muito válida e é a prova de que a pessoa mais afetada sempre será nós mesmos! :)

Diise França

Bru, incrível como esse seu texto reflete o que estou vivendo!
Fiz uma escolha do qual serei muito criticada, mas sinceramente? Estou me lixando! Estou feliz demais, acho que é isso que importa, sabe?
E cada dia percebo que fiz a escolha certa!
Amei o texto!
Beijos

http://www.utilidadebobagem.com/

Bruna Aguiar

Que bom, Diise :D É libertador, né?!! Torço que sejas muito feliz com a tua escolha, seja ela qual for! <3

Wanessa Oliveira

adorei a reflexão Bru. E não assisti o vídeo da Lu, preciso ver depois. O tempo está corrido não tô conseguindo ler os blogs q eu amo :(
bjokas http://diadebrilho.com

carolinafaria

Adorei o texto não sabia sobre essa corrente. No mundo exitem muitas pessoas que sofrem gravemente por se importar de mais com o que os outros pensam.
Que bom que você superou!
Bjs
http://www.carolinafaria.com.br
facebook.com/blogcarolinafaria
instagram @carolinacf

joyce

Excelente visão!Excelente texto e imagens.Tenho certeza que fizeste a escolha certa!! beijo nesse coração.

Bruna Aguiar

<3 <3 <3 te amo!!

Os 10 posts mais queridos de 2015! - Chez B.

[…] A (im)popularidade das nossas decisões | 29.jan […]


Deixe seu comentário: